politica 03/03/2018 às 01:40

Colombo é inocentado de denúncia por corrupção

Governador de Santa Catarina sofreu inquérito por corrupção passiva. Após investigação, Ministério Público desistiu da denúncia e pediu o arquivamento.

O MPF (Ministério Público Federal) arquivou a denúncia por corrupção passiva contra o governador licenciado de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), no inquérito que tramita no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e apura as denúncias feitas em delação premiada de ex-executivos da empreiteira Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato. Na mesma manifestação, feita nesta sexta-feira, o MPF denunciou Colombo por caixa 2. As informações são do jornalista Altair Magnin do jornal Notícias do Dia

O parecer do MPF está sob sigilo, mas o teor foi confirmado por Colombo ao ND. “Nós concentramos nossa defesa em cima disso [corrupção]. Eles pediram que prosseguissem a defesa em cima do caixa 2. Quanto a isso, não me incomoda em nada. Tenho todas as condições, como fiz na corrupção, de esclarecer isso. Deixa de ser uma ação criminal. Para ser uma ação eleitoral”, afirmou Colombo.

COLOMBO AINDA RESPONDE POR BIZARRA ACUSAÇÃO DE CAIXA 2

Mesmo inocentado da acusação de corrupção, Colombo ainda responde a uma ação no mínimo bizarra por caixa 2. Isso porque os executivos da Odebrecht afirmam que teriam doado dinheiro para um caixa oculto da campanha à reeleição do governador com o intuito de que a Casan, empresa catarinense responsável pelo saneamento e pelo abastecimento de água fosse privatizada. A parte engraçada começa ainda em 2009, quando Colombo, em livro de sua autoria (Povo tem Nome, Rosto e Endereço), já defendia a privatização da estatal. Entretanto, ao ser eleito para seu primeiro mandato  em 2010, o governador desistiu de levar a privatização adiante, já que constatou que o valor de mercado da empresa não interessaria ao estado.

A questão da Casan esteve em destaque justamente neste primeiro mandato, quando Colombo chegou a estudar sua privatização e depois descartá-la, preferindo uma negociação de parte das ações da companhia em Bolsa.

O assunto já estava superado quando o governador se candidatou e conseguiu a reeleição no primeiro turno em 2014. E nunca mais se tratou dele durante o segundo mandato.

Mesmo assim, o MPF decidiu levar o inquérito sobre o Caixa 2 adiante e transformá-lo em denúncia. Ressalte-se que a única fonte até agora que o MPF dispõe é a delação premiada dos mesmos executivos que não conseguiram comprovar as denúncias de corrupção, provocando o arquivamento do processo.

É natural que Colombo esteja tranqüilo. O processo, mesmo correndo em segredo de justiça, parece ter a solidez de bolhas de sabão. 

Notícias Relacionadas