politica 25/01/2018 às 16:53 - Atualizado em 25/01/2018 às 16:54

Julgamento de Lula derruba tese de 'conspiração do estamento burocrático'

A tese que circula com vigor entre as fileiras mais histéricas da direita brasileira ganhou um balde de água fria.

Há alguns anos surgiu na direita brasileira uma tese a respeito de uma "conspiração do estamento burocrático". A ideia consiste em dizer que não adianta tomar qualquer atitude política pragmática, uma vez que o tal "estamento burocrático" (vulgo establishment) estaria totalmente mancomunado na defesa dos interesses petistas.

Esta teoria conspiratória surgiu nos filões ligados a Olavo de Carvalho, muitos atribuem a ele próprio. Faz certo sentido dar a ele a paternidade, uma vez que são em geral os seus seguidores e ele próprio os que mais falam no assunto, assim como os seguidores e fãs de Jair Bolsonaro, que são em essência os mesmos sujeitos. Contudo, ontem, no julgamento da apelação de Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a tese extraordinária foi para o ralo.

Antes dizia-se que apenas Sérgio Moro não fazia parte do esquema, o que nada mais é do que uma forma de validar a própria ideia. O "único" até então que vinha, aparentemente, se esforçando para derrubar os corruptos. Claro que Moro já não era o único. A direita olavética é que adora usar esses termos. Na realidade Moro era apenas uma pequena peça da engrenagem cumprindo seu papel. Sem o trabalho do MPF e da Polícia Federal o julgamento de Moro sequer existiria. Agora, no entanto, os desembargadores condenaram Lula e ainda aumentaram sua pena, dando a ele 12 anos e um mês de sentença. 

Embora o Tribunal Regional Federal não seja a máxima corte do país, os três juízes que avaliaram o caso e votaram dentro do mesmo entendimento jurídico de Sérgio Moro deram ao STF um pepino. Vai ficar muito feio para os ministros do Supremo se, no futuro, reverterem a pena ou mesmo a anularem de algum modo. Vale ressaltar, ainda, que mesmo dentro do STF houve maioria de ministros para aprovar a execução de pena após condenação em segunda instância, o que neste caso pode garantir uma prisão de Lula muito em breve.

A tese conspiratória ganhou corpo especialmente porque a finalidade de Olavo e seus seguidores era atacar os movimentos da própria direita, principalmente aqueles como o MBL que atuaram de forma voraz no combate ao PT. Agora, no entanto, não parece que a ideia vá muito além.

Notícias Relacionadas