politica 12/12/2017 às 19:12

Bolsonaro tinha 47 anos e já era deputado há mais de uma década quando apoiava comunistas

O argumento de que ele era novo e mudou de opinião não vale de nada. Bolsonaro apoiou os comunistas até o escândalo do Mensalão, quando já tinha 50 anos de idade.

Ontem diversos sites de direita, inclusive o Sul Connection, divulgaram a informação de que em 1999 o deputado Jair Bolsonaro, tido por muitos como o "caçador de comunistas", havia apoiado Hugo Chávez e dito que ele era a esperança para a América Latina. Pior do que isso, ele disse com todas as letras o exército tem muito a ver com o comunismo.

Porém, este não foi um caso isolado. Bolsonaro apoiou abertamente os comunistas entre 1990 e 2005. Seus votos no Congresso, na época, respondiam aos interesses de partidos como PT e PCdoB. Ele, na época, era amigo de Vanessa Grazziotin e Jandira Feghali, a quem chamava de "nobres deputadas" (na ocasião, Vanessa era deputada e não senadora). Pior do que isso, em um discurso feito na Câmara em 2002, o deputado também afirmou ter apoiado a campanha de Ciro Gomes no primeiro turno e a de Lula no segundo, naquele mesmo ano. Além disso, também disse que era favorável a colocar Aldo Rebelo (PCdoB) e José Genoíno (PT) no Ministério da Defesa.

Jair Bolsonaro só começou a se afastar do petismo depois do escândalo do Mensalão, em 2005, quando já tinha 50 anos de idade e já estava no quarto mandato. Na época em que apoiou Hugo Chávez, ele tinha 44 anos, e é bom lembrar que Chávez era comunista assumido, o mundo inteiro já sabia disso na época.

Dito tudo isso, é inválido o argumento que tem sido usado por seus defensores, que dizem que ele era novo na época e que ninguém sabia direito o que era o petismo ou mesmo o chavizmo. Aliás, é pura besteira achar que um ex-capitão da reserva do Exército não soubesse disso. Bolsonaro sempre teve proximidade com o alto comando e inclusive conheceu pessoas que lutaram contra o comunismo no Regime Militar. Isso claramente pesa contra ele.

A justificativa é frágil e não dura nem um minuto diante de uma análise séria. Bolsonaro agiu por interesse e defendeu o comunismo porque era isso o que ele queria para o país, fato que tenta esconder de sua biografia.

Notícias Relacionadas