geral 27/11/2017 às 11:45

Para Elon Musk, humanidade tem no máximo 10% de chance de sobreviver à Inteligência Artificial

Empresas como a fabricante de armas Kalashnikov já trabalham com cenários de futuro em que a Inteligência Artificial promove matança em escala global.

Ao falar com seus funcionários da Neuralink, o bilionário Elon Musk classificou a inteligência artificial como um "risco fundamental para a existência da civilização humana". O inventor acredita que não temos mais do que uma "chance de cinco a 10%" de conseguir que a inteligência artificial seja suficientemente segura para não acabar com a raça humana. Como muitos de seus pares, Musk defende uma regulamentação séria da Inteligência Artificial e, o mais breve possível. 

Musk procura uma abordagem pró-ativa do que ele vê como uma crise potencialmente mortal de Inteligência Artificial em escala global, o que significa que os governos devem se tornar bem versados ??nos conceitos antes que essa compreensão se torne uma questão de vida e morte. "Normalmente, a forma como os regulamentos são configurados é quando um monte de coisas ruins acontecem, há um protesto público e, depois de muitos anos, uma agência reguladora é criada para regulamentar essa indústria", disse ele. 

Musk está certo de que essa abordagem não funcionará para superseres artificialmente inteligentes: "Uma vez que há consciência, as pessoas estarão extremamente assustadas, como deveriam estar... No momento em que somos reativos na regulação da Inteligência Artifical, será tarde demais".

Enquanto as afirmações de Elon Musk podem, na superfície, soar como o pano de fundo de uma distopia de ficção científica, o perigo é muito real. Fabricantes de armas, como Kalashnikov, já trabalham com um futuro autônomo de matança em massa, e a Neuralink, por sua vez, está pesquisando a implementação de interfaces cérebro-computador usando hardware informático implantado em crânios humanos.

Ou, como Musk acrescentou: "Durma bem!".

Notícias Relacionadas