geral 22/11/2017 às 14:45

Morre o barítono russo Dmitri Hvorostovsky

O barítono russo Dmitri Hvorostovsky morreu hoje, em Londres, onde vivia, depois de ter sido diagnosticado com um tumor cerebral em 2015, que o levou a abandonar os palcos meses antes da morte.

De acordo com a agência que o representava, o cantor “morreu em paz” e rodeado pela família. “Que o calor da sua voz e o seu espírito estejam sempre connosco”, acrescentou o comunicado.

Considerado um dos mais relevantes cantores de ópera da sua geração, Hvorostovsky encabeçou peças nas maiores salas do mundo. O diretor-geral do Teatro Bolshoi, Vladimir Urin, considerou a morte do barítono “um desastre”, citado pela agência Tass, lamentando que Hvorostovsky nunca tivesse chegado a atuar naquele espaço.

O porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, classificou o barítono um “tesouro da cultura russa e mundial”.

O crítico britânico Norman Lebrecht, da BBC3, recordou hoje o barítono russo, como "o melhor 'Eugene Onegin' da atualidade, o Don Giovanni mais sensual e o dominante Rigoletto", numa referência às suas interpretações dos protagonistas de Tchaikovsky, Mozart e Verdi.

Nascido na cidade de Krasnoyarsk, na Sibéria, Hvorostovsky desenvolveu uma carreira de renome desde a década de 1980, depois de escapar da vida nas ruas, enquanto adolescente, e de conseguir ultrapassar um problema com o álcool que podia ter posto fim a um percurso aplaudido pela crítica e pelos públicos que o viram e ouviram, como recorda o New York Times.

Em 1989, ele venceu a competição internacional de canto lírico, em Cardiff, no Reino Unido, batendo o barítono Bryn Terfel.

Segundo a biografia no 'site' oficial, o Hvorostovsky foi o primeiro cantor de ópera a realizar um concerto a solo com orquestra e coro na praça Vermelha, em Moscovo, que foi transmitido para mais de 25 países.

Em maio, apresentou-se na Metropolitan Opera Gala, em Nova Iorque, onde surpreendeu o público presente com uma aparição inesperada em palco, para cantar "Cortigiani, vil razza dannata", do "Rigoletto", de Verdi. No mês anterior, cancelara a participação no elenco de "Eugeni Oneguin", de Tchaikovsky, naquele teatro.

Em junho, atuou pela última vez, em Krasnoyarsk, a sua cidade natal.

Notícias Relacionadas