economia 25/10/2017 às 13:59

Fake news inventa custo por sobrevivência de Temer

Além de calcular todas as medidas tomadas pelo Governo como sendo apenas para sobreviver, imprensa ignora causadores da crise.

A Grande Imprensa brasileira ainda não se conforma de não ter conseguido aplicar um contra-golpe em Michel Temer no episódio do grampo ilegal envolvendo Joesley Batista. Derrotada na primeira votação, com Temer atingindo 263 votos a seu favor, quando bastavam 171 votos para se manter no governo, esta mesma imprensa vem testando narrativas alternativas para poder apresentar alguma vitória, qualquer vitória sobre o governo. Afinal, para o consórcio que sonhou tirar Temer do poder para eleger um Presidente biônico que lhe agrade, não bastou paralizar a votação das Reformas e frear a recuperação econômica do país. É preciso mais.

Agora circulam matérias em veículos como a Veja acusando Temer de ter gasto mais de R$ 32 bilhões para se manter no cargo. É claro que a verdade passa longe disso. Para chegar ao cálculo estratosférico, Veja considera medidas como a renegociação de dívidas fiscais de empresas, algo absolutamente necessário para que o país possa sair da crise. Também consideram o alívio na contribuição do Funrural, medida historicamente solicitada pelo agronegócio, como mera concessão em busca de votos. Por fim, até mesmo o Refis que vinha sendo negociado pelo Ministério da Fazenda há mais de um ano também entra na conta.

É claro que este tipo de fake news não está interessada na verdade. O objetivo é criar links que possam ser disseminados pelo WhatsApp e pelas redes sociais, ajudando a manter a popularidade do Presidente em baixa. Estudos econométricos já mostram que a popularidade de Temer está descolada dos excelentes resultados econômicos que ele vem produzindo, a despeito do cenário de terra arrasada recebido de Dilma Rousseff e seus meninos petistas.

Se combater a fake news que circula no submundo da internet já é difícil, imagina quando a velha grande imprensa entra no jogo?

Só o fato de se manter no governo já mostra o tamanho da habilidade política de Temer.

Notícias Relacionadas