politica 15/08/2017 às 05:06 - Atualizado em 15/08/2017 às 05:06

Odebrecht deu a ex-diretor da mexicana Pemex três milhões de dólares

A construtora transferiu mais de três milhões de dólares para uma empresa presumivelmente ligada a um ex-diretor da Petróleos Mexicanos (Pemex) na campanha eleitoral de 2012, segundo a organização Mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade (MCCI)

A organização não-governamental, que cita dados retirados dos extratos de conta do Meinl Bank, de Antigua --  e de propriedade da Odebrecht -, garantiu hoje que a empresa brasileira fez várias transferências para a empresa do ex-diretor da Pemex Emilio Lozoya, a Latin American Asia Capital Holding, sedeada nas Ilhas Virgens e descrita como "a empresa através da qual se pagavam subornos a Lozoya".

Diretor da Pemex entre finais de 2012 e janeiro de 2016, Lozoya ocupava então o cargo de coordenador das Relações Internacionais na campanha do Partido Revolucionário Institucional (PRI), cujo candidato era o atual Presidente do país, Enrique Peña Nieto.

"A campanha presidencial de 2012 no México iniciou-se a 30 de março e, três semanas depois, começaram a entrar os depósitos da Odebrecht", indicou a MCCI, acrescentando que quando acabou "o prazo para fazer proselitismo", a 27 de junho, "quase ao mesmo tempo terminaram os envios de dinheiro" para a empresa ligada a Lozoya.

Os depósitos da Odebrecht continuaram a 07 de novembro de 2012, mas a favor de uma segunda empresa, também ligada a Lozoya, chamada Zecapan, de acordo com a informação divulgada pela ONG.

Uns dias depois dessa data, Peña Nieto reuniu-se com Marcelo Odebrecht, como mostra uma série de e-mails interceptados pela Polícia Federal do Brasil, a que a ONG teve acesso.

O Globo e a organização mexicana El Quinto Elemento Lab revelaram no domingo o conteúdo da declaração do ex-diretor da Odebrecht no México, Luis Alberto Meneses Weyll, que disse que em março de 2012 Lozoya lhe pediu cinco milhões de dólares "como pagamento por tê-lo ajudado a instalar a empresa em Veracruz".

Odebrecht aceitou pagar-lhe quatro milhões de dólares, porque "Lozoya se perfilava como um funcionário influente no próximo Governo de Peña", salienta o relatório do MCCI.

No total, a Odebrecht terá pagado até 10 milhões de dólares a Lozoya em subornos para que a empresa brasileira ganhasse uma licitação avaliada em 115 milhões de dólares para remodelar uma refinaria, segundo O Globo.

O advogado de Lozoya, Javier Coello, disse hoje à Rádio Fórmula que a informação publicada sobre o alegado envolvimento do seu cliente na trama de corrupção "é totalmente falsa" e que ele "é absolutamente inocente".

O próprio Lozoya negou no domingo, na sua conta da rede social Twitter, as acusações e pediu que sejam questionadas as denúncias feitas por "criminosos confessos" envolvidos no caso, porque podem pretender "uma redução da pena".

Notícias Relacionadas