politica 10/04/2017 às 10:45

Mico: Candidato a Presidente do PT, Lindbergh não pôde votar no domingo

Representando correntes à esquerda do partido, senador não estava com sua contribuição em dia.

O Senador Lindbergh Farias (PT) tem uma trajetória política sui generis. Principal cara das manifestações estudantis em 1992 pelo impeachment de Collor, migrou para o ultra-esquerdista PSTU logo em seguida. Com recorde de votos nas eleições de 1994 e 1998, mas sem atingir o coeficiente eleitoral para se eleger deputado, migrou para o PT.

Dentro do partido, fez um movimento que o jogou no colo do então todo-poderoso José Dirceu e permitiu elegê-lo prefeito de Nova Iguaçu, com apoio da máquina dirceuzista. Agora, Lindinho, como é jocosamente chamado nas redes sociais pelos anti-petistas, faz mais um movimento e se apresenta como candidato da esquerda petista contra a também senadora e sua amiga, Gleisi Hoffmann, escolhida por Lula como candidata do antigo Campo Majoritário, agora rebatizado de Construindo um Novo Brasil. 

Só teve um problema: Lindinho esqueceu de pagar a contribuição partidária prevista pelo Estatuto e, portanto, não pôde votar no Processo de Eleições Diretas (PED) que elegeu os novos dirigents da sigla no último domingo. Éo mico do ano.

Como é de seu feitio, Lindinho atirou: "Ninguém me avisou. Espero que não tenha sido feito de propósito por essa burocracia partidária. Espero que não seja mais um jogo sujo", queixou-se. 

Resta saber se ele poderá manter a candidatura, já que não estava apto sequer a votar no momento da eleição.

É um verdadeiro King Kong.

Notícias Relacionadas