politica 01/04/2017 às 12:19 - Atualizado em 01/04/2017 às 12:39

No 1º de Abril, Veja inventa delação da Odebrecht

Esquerdista André Petry, novo diretor da Revista, atingiu a glória: é a primeira vez que blogs esquerdistas de esgoto aplaudem em pé uma capa da Veja.

Houve um tempo em que a Veja era referência no jornalismo nacional. Este tempo ficou para trás. Neste 1º de Abril, o novo diretor da Revista, o notório esquerdista André Petry, atingiu o estado da arte do anti-jornalismo. Em sua capa, a Veja traz uma bombástica suposta delação do executivo Benedito Júnior da Odebrecht, o BJ, em que ele teria afirmado que transferiu para a irmã de Aécio Neves R$ 60 milhões em uma conta de Nova York. A desgraça para Petry é que faltou combinar com os russos: poucos minutos depois da informação circular, o advogado de Aécio Neves entrou em contato com o advogado de BJ, que desmentiu enfaticamente que seu cliente tivesse dito qualquer coisa a respeito de Aécio ou de sua irmã.

O anti-jornalismo da Veja foi grotesco. Já há informações mais do que suficientes sobre a delação da Odebrecht para que uma patacoada como esta, sem o menor sentido, não tivesse circulado. Marcelo Odebrecht, por exemplo, já deixou claro que as negociações envolvendo políticos com alcance nacional eram exclusividade sua. Não passavam por nenhum outro executivo da empreiteira. Aécio é um político nacional. Pior: no dia 24 deste mês, a Folha de São Paulo, em matéria sobre a delação da Odebrecht informava: "Departamento de propina utilizava euro para evitar autoridades dos Estados Unidos".

Ou seja: a empreiteira nunca operou em solo americano porque tinha medo de uma das mais rígidas fiscalizações no setor financeiro no mundo. Nos Estados Unidos, agências como FBI, CIA e NSA acompanham com lupas de altíssima potência os menores centavos que se movimentam de forma estranha. Quem dirá uma operação de R$ 60 milhões como a revista acusou. É o cúmulo do absurdo: a Veja deu credibilidade a uma informação que teria passado em branco para CIA, FBI e NSA. Aliás, a própria Operação Lava-Jato trabalha em íntima cooperação com as autoridades americanas, como informou em detalhada matéria a BBC.

André Petry, o novo diretor esquerdista da Veja, pegou uma marca que levou décadas para ser construída como referência de bom jornalismo e transformou-a em pauteira do Diário do Centro do Mundo, blog ultra-esquerdista de um ex-jornalista que destila ódio diariamente contra a revista.

É um final melancólico.

Notícias Relacionadas