politica 19/02/2017 às 12:14

Enquanto opositores chupam o dedo e choram, multidão pró-Trump se congratula

* Rodrigo Miceli. Escriba oficial do Império de Donald Trump.

Teve de tudo no discurso de Donald J. Trump, hoje, em Melbourne, Flórida, Estados Unidos. Para começar, sua esposa e excelentíssima primeira dama da América, Melania Trump, iniciou seu discurso com a única oração ensinada por Cristo. Isto, aquela mesmo, quando sobre o monte e rodeado por seus discípulos, o mestre ensinou: "Quando forem orar, orem assim" etc., etc.


Pessoas comuns da platéia, mais ou menos conhecidas por terem feito esforços notáveis durante a campanha do presidente eleito, foram chamadas ao palco para dar seu testemunho (e aqui dirão que estava tudo meticulosamente combinado entre as partes. Eu, como escriba oficial do Império e estando disfarçado no meio do povo, digo que não. 


Enfim, o relato é breve porque meu pergaminho está acabando (na verdade, é sábado à noite enquanto escrevo isso), mas após o Imperador ter comunicado através de suas redes sociais que "as notícias falsas divulgadas pela mídia militante não são um ataque a mim, mas à integridade do povo americano" a resposta pareceu ser muito positiva.


Milhares lotaram um hangar espaçoso para ouvi-lo. Oraram e discursaram também.


E os detratores? Bem, eles até se reuniram, do lado de fora, e choraram, mas ninguém ouviu. Depois de muito espernear, dizem que começaram a chupar dedo.


Finalmente, dormiram.

Notícias Relacionadas