economia 09/02/2017 às 10:52

Target tenta impor agenda transgênero e ações derretem

Com boicote organizado por conservadores, ações da companhia caíram de U$ 83 para U$ 64,77.

Primeiro foi o Starbucks. Indignados com a política do Presidente americano Donald Trump de restringir a entrada de imigrantes no país, a rede de cafeterias anunciou que contrataria 10 mil imigrantes, sem nenhuma contrapartida de contratação de americanos natos. Resultado? As ações simplesmente despencaram. Confira no gráfico abaixo.

Como as mega-corporações americanas parecem ter uma predileção por afrontar seus consumidores, eis que a gigantesca rede varegista Target resolveu dobrar a aposta e partiu para uma política extremamente agressiva nas vendas de vestuário. O objetivo seria obrigar o público a comprar roupas unissex, destinadas aos públicos masculinos e femininos, em uma ação que tinha por finalidade propagar políticas de transgênero. Resultado? O óbvio. Mais uma vez, as ações despencaram. Confira no gráfico abaixo.

Desde que adotou a estratégia suicida, a Target viu suas ações despencarem de U$ 83 para U$ 64,77. Uma perda de mais de 78%. 


Como resultado, a rede viu-se obrigada a anunciar o cancelamento de projetos de expansão anunciados com bastante antecedência, incluindo uma loja completamente automatizada e em que os clientes seriam atendidos por robôs baseados em suas preferências pessoas colhidas em Big-Data.


Este Sul Connection adverte: politicamente correto que desrespeita a opinião da maioria gera fortes prejuízos.


Como diria o grande ex-senador Mão Santa, atentai!


As informações são do site Breitbart.com.

Notícias Relacionadas