geral 17/12/2016 às 10:30

Sem surpresa: Soros financia censura dos Fact Checkers no Facebook

Organização do bilionário será responsável por definir que notícia é verdadeira ou está em disputa na rede social.

Ontem divulgamos a notícia de que o Facebook estava pronto para implantar a censura na rede através dos Fact CheckersEis que sem nenhuma surpresa, o Breitbart traz uma informação complementar: a mão que balança o berço da censura é a do bilionário George Soros. A ONG Rede Internacional de Verificação de Fatos, responsável pelo manual que balizará o Fact Cheker do Facebook, recebe doses cavalares de dinheiro do bilionário esquerdista. A partir da implantação da ferramenta de censura, sites de notícias serão obrigados a aderir ao manualzinho dos funcionários de Soros e todas as notícias circulando na rede receberão um selo: as que desagradarem aos censores aparecerão como "em disputa".


Além disso, as notícias "em disputa" (aquelas decididas pelos censores), terão junto de si um link para outra notícia com versão diferente. É uma verdadeira ferramenta de manipulação em massa, uma operação de engenharia social em escala jamais vista. 


A Rede Internacional de Verificação de Fatos também é financiada pela Omidyar, que é a organização sem fins lucrativos do fundador do eBay, o bilionário esquerdista Pierre Omidyar. A Rede Omidyar tem parceria com a Open Society de Soros em inúmeros projetos e deu subsídios para terceiros usando o financiamento do Tides Foundation Soros. Tides é um dos maiores doadores de causas de esquerda nos EUA.


Outro importante doador do Instituto Poynter, responsável pela Rede Internacional de Verificação de Fatos, é a Fundação Craig Newmark, organização beneficente criada por Craig Newmark, fundador da Craigslist. Na segunda-feira, poucos dias antes do anúncio da parceria com o Facebook, Poynter emitiu um comunicado de imprensa, revelando que Newmark doou U$ 1 milhão para o grupo para financiar a implantação de uma de ética jornalística em faculdades nos Estados Unidos.


Newmark financia dezenas de grupos esquerdistas também financiados pelo Soros, incluindo o Sierra Club, da New America Foundation e da Fundação Sunlight. Newmark também financia o grupo jornalismo investigativo chamado Centro de Integridade Pública, onde ele faz parte do conselho. Soros Open Society é outro doador de Integridade Pública.
 

Poynter já hospedou programas polêmicos do jornalismo no passado, incluindo um em que foi acusado de minimizar a ameaça do terrorismo islâmico global. O curso sugeriu aos repórteres "manter o número de mortos do terrorismo islâmico no contexto", comparando com o número de pessoas mortas todos os anos por malária, HIV/AIDS e outros fatores. O curso ainda ensinou aos jornalistas que o termo "jihad" significa luta interna, e discutiu o que alegava ser a questão dos "ativistas de direita" tentando ligar os muçulmanos americanos ao terrorismo.


Em resposta ao relatório, o Instituto Poynter explicou que criou o curso "como uma ferramenta para os jornalistas que querem ser precisos na educação de seu público sobre a religião e a cultura do Islã, a representação das comunidades muçulmanas nos EUA e as distinções entre o Islã como um movimento político e as filosofias radicais que inspiram militantes islâmicos". "Acreditamos que há uma necessidade de entender melhor as complexidades das sociedades muçulmanas e o curso on-line oferecido por Poynter e Washington State University é um recurso vital para esse fim", acrescentou Poynter. Note-se que em nenhum momento o Instituto responsável pela censura no Facebook utiliza a palavra "terrorismo" em seu comunicado.

Notícias Relacionadas