politica 13/12/2016 às 21:42

Navalny anuncia que concorrerá à presidência da Rússia em 2018

O opositor ganhou novamente o direito de voto apenas em novembro, quando a Suprema Corte da Rússia anulou uma sentença contra ele por fraude em um caso que ficou conhecido como "Caso Kirovles".

Nesta terça-feira (13), o líder oposicionista russo e fundador da Fundação de Combate à Corrupção, Alekseyi Navalny, anunciou que tem intenções de concorrer à presidência em março de 2018. O político também já lançou um site para a campanha presidencial sob o slogan: “Aleksey Navalny: é hora de escolher”.

“A Rússia deve ser um país rico, livre e forte. Temos tudo que é necessário para isso: pessoas talentosas, recursos naturais. Irei às eleições com um programa para tornar a Rússia mais justa e moderna. Precisamos de uma conversa honesta, e não desse novo e falso espetáculo de televisão”, disse Navalny.

O opositor ganhou novamente o direito de voto apenas em novembro, quando a Suprema Corte da Rússia anulou uma sentença contra ele por fraude em um caso que ficou conhecido como "Caso Kirovles".

Após o Tribunal Europeu dos Direitos Humano avaliar o julgamento de Navalny como “injusto”, porém, o caso foi reaberto e voltou ao Tribunal Regional de Kirov.

Segundo o jurista Valery Vânin, membro da Câmara dos Advogados, Navalny tem agora a presunção de inocência e poderá participar das eleições. O político já começou a recolher fundos para a campanha, segundo o gerente dessa, Leonid Volkov. Ele afirma que, em apenas em uma hora de campanha, a fundação do opositor recebeu mais de 130 doações, totalizando mais de 200 mil rublos (US$ 3,3 mil).

Navalny foi o primeiro dos possíveis candidatos a apresentar oficialmente seu programa político: terminar com a corrupção, estabelecer um imposto único, limitar os poderes das forças de segurança, realizar uma reforma jurídica, introduzir um regime de vistos com os países da Ásia Central - cujos cidadãos podem na Rússia sem visto atualmente - e finalizar as operações militares "na Síria e na Ucrânia".

Notícias Relacionadas