geral 01/12/2016 às 12:14

O esperneio da velha política e da velha mídia contra as redes sociais segue firme

* Opinião. Eduardo Bisotto. Diretor do Sul Connection.

O ataque é claramente coordenado (ainda que apenas no plano intelectual) e perfeitamente continuado. A cada dia um jornalista ou um político reiteram seus ataques às redes sociais. O motivo é óbvio: o velho sente sua morte eminente, enquanto o parto do novo está cada vez mais próximo.


Hoje, a vez de atacar coube à Cesar Maia, cujo filho apanhou mais do que boi na canga após a vergonhosa votação na calada da madrugada realizada na Câmara para tentar botar uma canga em juízes e promotoresChega a ser engraçado: Cesar Maia, por quem tenho um profundo respeito como gestor público, especialista em finanças e comunicação, foi dos primeiros políticos da velha escola a migrar para as redes, ainda na época do boom dos blogs.


Maia, inteligente como é, não optou pelo ataque frontal: em um texto escorregadio publicado em seu ex-Blog, tenta vender a grande mídia como juíza da veracidade ou não das informações. Se sai na grande mídia, é verdadeiro. Se não sai, é falso. O truque, por mais bem construído que tenha sido, é patético. 


Cesar transforma a mídia em juíza das veracidade das informações um dia depois da Folha publicar uma MENTIRA sobre Sérgio Moro mudar-se para os Estados Unidos. Cesar transforma a mídia em juíza das informações verdadeiras logo após o fiasco inominável protagonizado por esta mesma mídia nas eleições dos Estados Unidos.


Donald Trump acaba de ser eleito tendo como chefe de sua campanha Stephe Bannon, diretor do BreitbartNewsveículo conservador alternativo absolutamente execrado por políticos e mídias tradicionais. Jair Messias Bolsonaro é um fenômeno único de popularidade no Brasil tendo como ferramenta única e exclusiva as redes sociaisO próprio golpe da Câmara, liderado pelo filho de Cesar, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) e sua continuidade no Senado ontem, pelas mãos de Renan Calheiros, foram abortados pela pronta reação de veículos alternativos e das redes sociais.


O esperneio certamente continuará. Os Dimenstein da mídia block-buster, ainda que rastejem no esgoto como o CatracaLivre fez durante a tragédia da Chapecoensecontinuarão aliados aos Maias da política tentando impedir o impossível: o nascimento do novo.


Encerro apelando à Elis Regina e suas palavras proféticas: "Mas é você que ama o passado e que não vê que o novo sempre vem".


Lamento informar aos políticos da velha escola e aos membros da velha mídia: o novo já chegou. Aceita que dói menos.

Notícias Relacionadas