politica 17/12/2015 às 13:43

Highlander: Cunha sobrevive a mais um ataque de Janot. STF só analisará afastamento em 2016

Teori Zavascki pede tempo para estudar se decide sozinho ou se levará caso ao plenário.

A guerra do governo contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fazendo uso do poder do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, encontra dificuldades para colher resultados. Provavelmente o nítido viés político e de vingança tenha pesado para que o ministro Teori Zavascki, muito próximo do petismo, tenha decidido empurrar qualquer decisão para fevereiro do ano que vem. Vale ressaltar que Janot apresentou um arrazoado de 190 páginas contra o Presidente da Câmara instantes depois de o governo colher uma brutal derrota no STF, com o voto do ministro Edson Fachin, que mantém o rito de impeachment contra Dilma Rousseff (PT).

 

O açodamento e amadorismo do Palácio do Planalto começam a cobrar seu preço. Mesmo os ministros do STF mais simpáticos ao petismo ficam constrangidos por tomar parte em peças nitidamente políticas. Janot começa a ser brutalmente desacreditado em seu papel de representante maior do MPF e membro do corpo de Estado, para começar a ser visto como um mero esbirro partidário do petismo.

 

De outro lado, Cunha passará um Natal feliz. Mesmo enrolado até o último fio de seu penteado, está sendo favorecido pelas trapalhadas dos adversários. Até lá, garantirá a existência do recesso, seguirá operando como chefe de poder e arauto maior da articulação para apear Dilma Rousseff (PT) do poder.

 

Os cabelos implantados de Renan devem estar de pé. Assim como o belo penteado à base de laquê de Dilma.

Notícias Relacionadas