politica 02/09/2015 às 14:21

Servidores federais fazem greve geral no Paraná

No último dia 26, os servidores do INSS chegaram a organizar uma paralisação total dos serviços para pressionar o governo federal a negociar.

Esta semana deve ser de mobilização para várias categorias de servidores federais em greve no Paraná. As paralisações já duram vários meses e continuam sem acordo com o governo federal. A greve do INSS já dura quase dois meses, mas durante todo esse período as agências continuaram a atender pelo menos as pessoas que já tinham perícias médicas marcadas. Mas a partir desta quinta feira, 3, a paralisação deve ganhar um novo impeditivo aos contribuintes: os médicos peritos também vão entrar em greve.

 

No último dia 26, os servidores do INSS chegaram a organizar uma paralisação total dos serviços para pressionar o governo federal a negociar. Na segunda feira a categoria se reuniu com representantes da União e receberam uma nova proposta. A proposta foi recusada, e agora o governo avalia a contra-proposta sugerida pelos servidores. Nesta quarta-feira, 2, eles se reúnem em uma passeata pelo centro da cidade em protesto à demora na negociação. Durante a tarde, também será organizada uma nova assembleia para discutir as atuais propostas.

 

No judiciário, a situação não é muito diferente. Com a paralisação que vai completar cem dias nesta semana, a principal reivindicação da classe é para que seja derrubado o veto ao projeto de lei complementar que prevê os reajustes salariais. A alteração chegou a ser aprovada pelo Congresso, mas foi vetada pela presidente Dilma que justificou que o impacto do reajuste chegaria a R$ 25 bilhões. Nesta quarta feira a derrubada do veto volta à pauta do Congresso em uma sessão conjunta da Câmara e do Senado.

 

A greve dos servidores do judiciário envolve a Justiça Federal, Eleitoral e do Trabalho. Apesar de ainda aguardar a derrubada do veto, o servidores da Justiça do Trabalho decidiram em assembléia que a partir desta semana o índice de funcionários trabalhando vai passar de trinta para 50%.

Nesta quarta feira os professores, técnicos administrativos e alunos da UFPR também se reúnem para uma assembléia conjunta. A discussão vai acontecer no pátio da Reitoria, ao lado do prédio ocupado desde segunda feira por um grupo de estudantes da instituição.

Na segunda feira, os servidores se reuniram com representantes do governo federal que apresentou uma proposta com os mesmos valores de reajustes já recusados. Os técnicos administrativos da UFPR estão de braços cruzados desde o dia 25 de maio, no início de agosto os professores se juntaram à paralisação, e por último os alunos, desde o dia 19.

Notícias Relacionadas