18/12/2016 às 10:33 - Atualizado em 18/12/2016 às 10:38

Ronaldo Caiado conta sua trajetória e debate atual momento do país em evento em Niterói

Com palestras de personalidades como Guilherme Fiuza, Marcelo Madureira, Marcos Troyjo e Merval Pereira em seu histórico, o Grupo Papo Reto contou com a presença de Ronaldo Caiado no evento realizado em 28 de novembro, em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro.

Nesse dia, o senador goiano dedicou-se tanto a falar de sua trajetória como a analisar o atual momento político do país. A começar pelas eleições presidenciais de 1989, na qual Caiado foi um dos candidatos, iniciando sua carreira política de maneira “inversa”, e, já àquela época, não só se mostrava um liberal sem medo da patrulha esquerdista como também expunha a relação do PT com propinas (o que ele nomeou como “sindicalismo criminoso”). A esse respeito, o senador ainda discorreu sobre como nos 80 predominava a pregação de tendências estatizantes, as quais tinham como uma de suas estratégias distorcer a luta liberal e contrária às invasões criminosas promovidas pelo MST como sendo uma luta saudosista da ditadura e outros rótulos que os liberais e conservadores de hoje tão bem conhecem. Um outro ponto interessante levantado por Caiado é que, diferentemente do impeachment de Dilma Rousseff, que se iniciou verdadeiramente nas ruas, o impeachment de Fernando Collor, ocorrido em 1992, teria fortalecido a esquerda, uma vez que, além de confirmar a narrativa que Lula apresentara contra Collor em 1989, o impedimento, ao menos inicialmente, foi alardeado pela militância de esquerda.
 
Sobre o Brasil do presente, Caiado falou sobre como a maioria dos atuais deputados e senadores foi cooptada pelo Partido dos Trabalhadores ao longo da última década e sobre o que acontece se Temer cair. A propósito, para Caiado, Michel Temer deveria convocar cadeia nacional para explicar a necessidade de uma reforma da previdência ao povo e de maneira didática a fim de neutralizar a histeria da militância esquerdista, que investe em uma luta “irresponsável e intransigente” com o intuito de fomentar uma narrativa de deterioração da conjuntura para ter chance de vitória em 2018. O senador ainda salientou que políticos deveriam ter preocupação com a moralidade pública, bem como critica o uso de eufemismos como “pedaladas” e “malfeitos”, constantemente repetidos pela grande mídia e mesmo por seus colegas da política.

Após quase uma hora de palestra e mais de uma hora respondendo a perguntas da platéia, Caiado atendeu ao público tanto para breves conversas como para fotos, sendo bastante simpático, bem-humorado e receptivo. Quanto à pergunta que grande parte da direita brasileira quer ver respondida, a respeito da possibilidade de Ronaldo Caiado ser novamente candidato à presidência da república em 2018, o senador declarou que ainda nutre o sonho de voltar a concorrer ao principal cargo político da república, porém que sua candidatura depende das decisões do partido e de se conseguir o apoio de outros partidos a fim de se ter tempo de televisão, caso as regras atualmente vigentes não sejam alteradas para o próximo pleito. Não faltaram menções também as suas trajetórias como médico ortopedista e produtor rural.  No vídeo a seguir, confiram alguns trechos da palestra.

O Grupo Papo Reto costuma organizar eventos mensais com personalidades relevantes no debate político nacional e local, sempre às segundas, no bairro de São Francisco, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro.